12 de dezembro de 2008

"Embriaguês Insólita" - O que fazer? - PARTE 1

Há um bom tempo não escrevo aqui. Mas por motivos inesperados.
Motivos os quais não seriam importantes agora, até mesmo porque não são tão importantes mesmo.
Uma vez, me perguntaram: - Qual seria a melhor forma de representar algo que vem de dentro da sua cabeça?
Fiquei pensando, pensando...pensando...pensando... e nada, nada, nada... - ...foi aí, que me liguei geral do esquema a ser respondido. Era uma simples questão, com uma simples resposta direta. Mas como falar isso naquela hora arrasadora? Como chamar? Como escrever? Como explicar? Como representar? Como inserir a idéia aos ouvidos de outras pessoas?
Como? Como?
Na hora, não me veio a forma, mas veio a reflexão. A reflexão genuína de quem sabe o que quer explicar, mas algo um pouco transparente demais para concluir como uma resposta adequada a pergunta feita. Bom, enfim...tentei pensar um pouco mais, mas tinha algo que eu não estava gostando em relação a forma de responder.
Então, resolvi não responder.
Aconteceu algo fenomenal. Minha certeza já não era mais certa. Minha razão já não se sustentava como racional correto. Fiquei perdido, bemmmmmm perdido. Não conseguia entender aquilo tudo. Porra!! foi apenas uma pergunta simples!!! O que eu faço então??
Olhava pros lados...e nada. Olhava pro céu... e nada tbm.
Daí, tive uma idéia genial.
Mas tão genial que nem eu conseguia acreditar naquilo. Era algo surprendente! Tão sofisticado, tão ilimitado, tão teenager, tão crú. 
E aos poucos fui montando a forma de explicar e responder ao mesmo tempo a pergunta inicial.
Tive uma luz apontada pra mim naquele momento...

...continua.

Um comentário:

Horácio Salgado disse...

Desvie da luz, sobretudo se estiver localizada ao fim de um túnel, meu caro.